Jump to content

Theme© by Fisana
 

Photo
- - - - -

TRIBUTO AOS POVOS EM LUTA PELA VIDA E SEUS TERRITÓRIOS Reunidos no campus da Universidade Federal do Acre - <posted by macaense>


  • Please log in to reply
1 reply to this topic

#1 macaense

macaense

    Advanced Member

  • Members
  • PipPipPip
  • 7539 posts

Posted 01 August 2014 - 06:35 PM


TRIBUTO AOS POVOS EM LUTA PELA VIDA E SEUS TERRITÓRIOS



Reunidos no campus da Universidade Federal do Acre, na cidade de Rio Branco, no período de 23 a 25 de julho de 2014, em um tributo à resistência dos povos da Amazônia, os signatários da presente carta manifestam seu mais veemente repúdio ao brutal e insano assassinato de crianças, mulheres e homens palestinos, na Faixa de Gaza. Com a inaceitável omissão da ONU e a cumplicidade do governo dos Estados Unidos da América, o Estado de Israel viola os mais basilares princípios dos direitos humanos, matando ou ferindo de forma brutal, cínica e covarde a população civil palestina.



A grande mídia internacional, que transforma tudo em espetáculo, anuncia guerra de defesa dos israelenses contra grupos terroristas árabes. Com isso produz uma farsa para ocultar o planejado genocídio contra o povo palestino e explicar bombardeios injustificáveis e irracionais contra escolas, universidades, hospitais, prédios públicos e áreas residenciais, atingindo indiscriminadamente a indefesa e fragilizada população palestina.



Com a mesma indignação denunciamos o autoritarismo do Estado brasileiro, em grotescos processos de criminalização dos movimentos sociais e toda sorte de atentados à liberdade de opinião e expressão em todo o país, a exemplo do que acontece com ativistas sociais na cidade do Rio de Janeiro. O que se processa nas grandes cidades brasileiras é a ampliação das violências que há tempos atingem povos indígenas e comunidades campesinas em toda a Amazônia, nordeste e outras localidades mais afastadas.



Vivemos tempos de tentativas de silenciamentos das vozes e movimentos contrários aos interesses dos grandes capitais em todo o mundo. Vivemos tempos de imposição de uma racionalidade que devasta vidas e transforma a natureza em mera mercadoria, indiferente às culturas, valores, conhecimentos e ecossistemas. A totalitária mercantilização de tudo e o apagamento das vozes contrárias orientam-se em sintonia e a serviço dos interesses dos megablocos econômicos em todo o Planeta.



A mercantilização e sua lógica totalitária também invadiu a ciência. A ciência hegemônica, como ciência do capital, busca tornar legítimos os processos de acumulação de recursos coletivos, de patrimônios e saberes populares e tradicionais, de corações e mentes de povos inteiros. Territórios em suas materialidades e imaterialidades são cientificamente catalogados e postos à disposição da acumulação, enquanto os povos da terra, da floresta e da água veem e sentem o progresso da ciência alijá-los de seus territórios terra, corpo e vida. Cientistas do mundo inteiro se unem ao capital... É preciso que outras ciências, de mulheres e homens inteiros, de cotidianos de luta e resistência, se irmanem aos saberes e sabores do fazer vida, do saber viver como se nada mais existisse a não ser a experiência singela e extraordinária da vida, que o capital, com sua ciência do progresso, insiste em usurpar e matar.



Diante da lógica do progresso que mata e destrói, erguemos nossas vozes e nossos saberes na construção de um Vivir Bien como proposto nas constituições da Bolívia e Equador, de um mundo no qual caibam muitos mundos, como insistem em reafirmar os zapatistas desde o México. Somamo-nos às lutas pela justiça, democracia e liberdade, pelo direito à terra inteira, em uma ampla solidariedade internacionalista de mulheres e homens que se levantam e desafiam a ordem totalitária. Nessas lutas somos todos Munduruku, Kayapó, Tenharim, Guarani-Kaiowa, Achuar, Ese eja, Jíbaro, Omagua, Madiha, Mashco Piro, Matsés, Marubo, Huni kui, Apurinã, Nahua, Vacacocha, Huaorani, Shuar, Mapuche, Yanomami, Awa-Guajá, Kaingank, Canela-Kamkokamekra, Urubu Kaapor, Palestinos e tantos outros povos e grupos humanos em luta contra a destruição de suas culturas, línguas e territórios.



Fronteiras amazônicas, Brasil-Peru-Bolívia-Colômbia 25 de julho de 2014.





Amyra El Khalili Rede RECOs/ Mulheres pela Paz

Ana Patrícia Chaves Ferreira COMIN

Abrahan Cuellar Araujo FOBOMADE Bolívia

Andres Bustamante FOBOMADE - Bolívia

Barbara Silva Militante da comunicação comunitária na Pan Amazônia

Cristiane Faustino Rede Brasileira de Justiça Ambiental

Diego Cardona CENSAT Agua Viva - Amigos da Terra Colômbia

Elder Andrade de Paula NUPESDAO -UFAC

Edna Castro UFPA

Geovane da Costa Souza MAB-RO

Gerson Rodrigues Albuquerque ADUFAC

João Silva Lima ADUFAC

Jones Dari Göettert ADUFGD

José Alves da Silva STTR de Xapuri

José Alves GEPEA UFAC

keã Huni Kui Comunidade Huni Kui Hené Bariá

Lindomar Padilha CIMI-AO

Lucia Ortiz Amigos da Terra Brasil

Luiz Zarref MST

Luis Fernando Heredia CIPCA- Bolívia

Luis F. Novoa UNIR

Marcio Santana de Lima MAB-RO

Maria de Jesus Morais GEPEA -UFAC

Maximiliano Ochante UNAMAD-Peru

Michael Franz Schmidlehner Amazonlink

Ninawa Huni Kui FEPHAC

Pedro Casanova As. FADEMADPeru

Raimundo G. C. Neto CEPASP/MAM

Raquel Ishii ADUFAC

Simeon Velarde - Vanguardia Amazónica Peru

Winnie Overbeek Movimento Mundial pelas Florestas Tropicais
  • 0

#2 macaense

macaense

    Advanced Member

  • Members
  • PipPipPip
  • 7539 posts

Posted 01 August 2014 - 06:36 PM

2635- TRIBUTO AOS POVOS

Aliança RECOs
Redes de Cooperação Comunitária Sem Fronteiras



“Vivemos tempos de tentativas de silenciamentos das vozes e movimentos contrários aos interesses dos grandes capitais em todo o mundo. Vivemos tempos de imposição de uma racionalidade que devasta vidas e transforma a natureza em mera mercadoria, indiferente às culturas, valores, conhecimentos e ecossistemas. A totalitária mercantilização de tudo e o apagamento das vozes contrárias orientam-se em sintonia e a serviço dos interesses dos megablocos econômicos em todo o Planeta.”



“Vivimos tiempos en los que se intenta silenciar las voces y los movimientos en contra de los intereses del gran capital en todo el mundo. Vivimos tiempos de la imposición de una racionalidad que devasta vidas y transforma la naturaleza en simple mercancía, indiferente a las culturas, valores, conocimientos y ecosistemas. La totalitaria mercantilización de todo y el silenciamiento de las voces en contra se orientan en sintonía y al servicio de los intereses de los mega-bloques económicos en todo el planeta…”



Para (re)ver as falas ou acompanhar a transmissão on-line do evento clique aqui.





TRIBUTO AOS POVOS EM LUTA PELA VIDA E SEUS TERRITÓRIOS
  • 0




0 user(s) are reading this topic

0 members, 0 guests, 0 anonymous users

Copyright © 2020 Pravda.Ru